Notícia

Mulher e Direitos Humanos

Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos do Estado de Alagoas
Quinta, 31 Outubro 2019 19:39
POPULAÇÃO ALBINA

Especialista em albinismo da ONU visita Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos

Ikponwonsa Ero é nigeriana e percorre o mundo para falar sobre o exercício dos direitos humanos das pessoas com albinismo

O encontro aconteceu no gabinete da secretária Maria Silva O encontro aconteceu no gabinete da secretária Maria Silva Letícia Sobreira
Texto de Letícia Sobreira

Condição genética rara que atinge em média uma pessoa a cada 17 mil, o albinismo é marcado pela falta total ou parcial da pigmentação na pele, nos pêlos e nos olhos, demandando uma série de cuidados especiais e preventivos com o corpo. Para garantir o exercício dos direitos humanos da pessoa com albinismo, a Organização das Nações Unidas elegeu a nigeriana Ikponwonsa Ero como a primeira especialista independente da ONU para tratar do assunto.

Nesta quinta-feira, a secretária de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos, Maria Silva, recebeu a especialista para dialogar a cerca da população albina em Alagoas. “Estamos caminhando para chegar ao patamar necessário para atender aos albinos do Estado. Aqui, temos a peculiaridade do Quilombo Filús, em Santana do Mundaú, onde se encontra o número de 10 albinos em uma comunidade com 40 famílias. O número de incidência é altíssimo comparado a média mundial. Vamos dar uma atenção especial a estas pessoas”, disse a secretária.

WhatsApp Image 2019 10 31 at 16.42.09

Ikponwonsa Ero está no Brasil para colher relatos de experiências com albinos brasileiros sobre o acesso a direitos, preconceitos e estigmas sociais. Ero quis conhecer a comunidade de Filús. “Gostaria de saber como é a vivência dos albinos aqui, como é comunidade quilombola, como são as circunstâncias de vida, com educação, economia, cultura e como podemos colaborar para as mudanças”, falou.

O superintendente de Políticas para os Direitos Humanos e a Igualdade Racial, Mirabel Alves, explicou a para a especialista um pouco sobre como funciona o trabalho da Semudh. “A secretaria recebe um papel de interligar as demandas da população com o governo. Uma das características do nosso país é que temos um conjunto de leis muito grande que garantem os direitos dos cidadãos, mas há uma desinformação enorme entre a população”, contou Mirabel.