Notícia

Mulher e Direitos Humanos

Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos do Estado de Alagoas
Quinta, 07 Março 2019 18:48
MORADIA

Mulheres Sem Teto pedem apoio à Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos

Secretária da Semudh, Maria Silva, se colocou à disposição para discutir as demandas entre as entidades

Famílias buscam apoio na realocação para as residências em Rio Largo Famílias buscam apoio na realocação para as residências em Rio Largo Ascom Semudh
Texto de Bruno Levy

A secretária de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh), Maria Silva, e o superintendente de Políticas para os Direitos Humanos e a Igualdade Racial, Mirabel Alves, receberam mulheres representantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e do Instituto Casa Viva nesta quinta-feira (07), na sede da Semudh, a fim de buscar apoio da Semudh na realocação de famílias sem teto para residências no município de Rio Largo.

De acordo com a coordenadora do MTST, Eliane Silva, o apoio da Secretaria será propício na mediação de negociação com os movimentos sociais. “O encontro serviu para um melhor diálogo com o Estado quanto à realocação das famílias para o terreno Dandara, em Rio Largo. Para isso, queremos saber qual o resultado destas 180 famílias cadastradas no Minha Casa, Minha Vida”, disse.

No ano passado, a Semudh, os movimentos, a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), o deputado federal Paulo Fernando dos Santos - Paulão (PT) e o Gerente Regional da Habitação da Caixa Econômica Federal, Carlos Eduardo, se reuniram para tratar da homologação da entrega das residências para as famílias na lista de espera do Programa Minha Casa, Minha Vida. As reivindicações discutidas na ocasião visaram uma solução pacífica entre as entidades.

A secretária Maria Silva se colocou à disposição do MTST no acompanhamento das demandas dos movimentos sociais. “Estamos intermediando uma agenda com o desembargador-presidente do Tribunal de Justiça, Tutmés Airan, e com o gabinete civil do governador Renan Filho para encontrarmos uma maneira de ajudá-los. Estas famílias precisam deste terreno, pois estão em situação de risco”, explicou Maria.