Notícia

Mulher e Direitos Humanos

Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos do Estado de Alagoas
Sexta, 22 Fevereiro 2019 16:00
SOLIDARIEDADE

Semudh entrega equipamentos para abrigo de idosos do Village Campestre

Ação agraciou a Associação de Acolhimento Mãe das Graças que acolhe idosos desde 2009

OPMs possibitam melhor locomoção e independência para os idosos OPMs possibitam melhor locomoção e independência para os idosos Joanna de Ângelis
Texto de Joanna de Ângelis

A Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh) realizou na quarta-feira (20) a doação de órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção (OPMs) para a Associação de Acolhimento Mãe das Graças.

A doação busca facilitar as condições de mobilidade e integração social reduzindo a dependência e ampliando as atividades cotidianas. OPMs são dispositivos tecnológicos voltados para a assistência de pessoas com deficiência, proporcionando melhor qualidade de vida.

“É de suma importância o envolvimento do Estado na contribuição, desenvolvimento e apoio de entidades que realizam um trabalho digno como esse. Precisamos ter um olhar diferenciado para as necessidades da população idosa e é fundamental a abertura de espaços de diálogo com a instituição para compreensão das suas solicitações e carências”, afirmou a secretária da Semudh, Maria Silva.

Mãe das Graças

A Associação surgiu a partir da iniciativa de três mulheres. Cícera Lisboa, Dilma Santos e Cleonice Bezerra faziam parte de um grupo de oração quando decidiram adotar por missão de vida a proteção daqueles que mais precisam. Começaram com apenas dois quartos, e a cada pequena conquista ampliaram o espaço gradativamente. Hoje contam com uma estrutura que abriga 55 idosos, sendo quatro homens e 51 mulheres.

Associação conta com uma estrutura dividida em apartamentos individuais e coletivos para os seus dependentes (Fotos: Joanna de Ângelis)

Mãe das Graças foi fundada oficialmente em 2003, mas só garantiu seu cadastro como pessoa jurídica em 2009. Seu único critério de acolhimento para novos integrantes é apenas que existam vagas disponíveis na instituição. Dentro da Associação trabalham 18 pessoas, desde a direção até equipe de serviços gerais. Contam também com apoio de psicólogos e assistente social. Ainda carecem de atendimento fisioterapêutico, que acontece geralmente por meio de estágio voluntário em convênio com instituições de ensino estaduais.

Cícera Lisboa, fundadora da Associação, conta que já passou por muitos desafios mas que se sente grata por todo o trabalho que vem realizando junto à sua equipe. “Hoje aqui é a minha vida. Minha vida é o bem-estar de quem precisa mais que eu. Sou porta-voz de pessoas que carecem de um apoio em momentos cruciais. Essa é a nossa missão de vida, e nós a aceitamos com gratidão”, afirma.

Dona Nise

Há três meses Dona Gilvanise, de 84 anos, chegou ao Mãe das Graças. Mais conhecida como Nise, mostra sempre um sorriso aberto e é cheia de histórias pra contar. Pernambucana sem sotaque, disse já ter morado em vários estados brasileiros e recentemente chegou a Alagoas. Decidiu por conta própria ir para ao abrigo devido a conflitos familiares, mas visita a família regularmente.

Sofreu um acidente aos 8 anos, quando, em Goiás, um outdoor desabou em cima dela. Ficou meses internada e até hoje tem problemas locomotores. Anda com uma pequena bengala bastão, o que não a impede de passear pela cidade sempre que pode.

Associação conta com uma estrutura dividida em apartamentos individuais e coletivos para os seus dependentes (Fotos: Joanna de Ângelis)

Nas horas vagas realiza macramê, uma técnica de tecelagem antiga que consiste em fios atados como nós, usando apenas as mãos. Aprendeu com uma vizinha em Goiás, há muitos anos, e além de divertir o artesanato a ajuda a passar o tempo. “Gosto de fazer meu bordado, conversar com meus companheiros. Até ajudo a fazer uns consertos nas roupas do pessoal aqui. E assim, vamos levando”, conta Dona Nise, entre risos. “Morei sozinha por muito tempo, era difícil. Aqui temos companhia”, completa.

Solidariedade e Aprendizado

Na ocasião estiveram presentes, além da secretária da Mulher e dos Direitos Humanos Maria Silva, o superintendente de Políticas para Pessoa com Deficiência e o gerente de execução e monitoramento de Políticas para Pessoa com Deficiência da Semudh, Gino Menezes e Humberto Santos.

“O aprendizado dentro da Semudh é contínuo. Imaginamos uma coisa e no dia a dia nos deparamos com diversas possibilidades de ações dentro de Alagoas. Hoje fomos surpreendidos com o abrigo de idosos, mas trabalhamos com jovens, pessoas com deficiência, comunidade LGBT, entre outros. Fazemos isso com muita responsabilidade e respeito a esse trabalho digno, feito por pessoas anônimas, e que até nós mesmos não chegaríamos a conhecer se não fosse essa compreensão de chegar junto e participar. Viemos atender uma pequena demanda e nos deparamos com um trabalho belíssimo. Isso é o que nos dá prazer em integrar a Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos”, enfatiza Gino Menezes.

A Associação fica na Rua Cristina Braga, Nº 49, Loteamento Cidade Universitária, Village Campestre II. Para doações ou trabalhos voluntários, os números de contato são (82) 4141-4513 ou 9 8861-3979 (Cícera).