Notícia

Mulher e Direitos Humanos

Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos do Estado de Alagoas
Quarta, 06 Dezembro 2017 11:43
LAÇO BRANCO

Semudh lança campanha de combate à violência contra a mulher no TJ e no Centro

Ações de mobilização visam conscientizar os homens sobre a necessidade de eliminação da violência de gênero

Ações foram desenvolvidas no Tribunal de Justiça e na Praça Marechal Deodoro, no Centro Ações foram desenvolvidas no Tribunal de Justiça e na Praça Marechal Deodoro, no Centro Fotos: Ascom/Semudh
Texto de Marília Ferreira

Como parte das ações dos ‘16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra a Mulher’, a Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh), em parceria com a Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Tribunal de Justiça de Alagoas, desenvolveu, nesta quarta-feira (6), diversas ações da Campanha do Laço Branco, em Alagoas. As ações foram desenvolvidas tanto no Tribunal de Justiça quanto na praça Marechal Deodoro, no Centro de Maceió.

Campanha Laço Branco / Ascom/Semudh

Celebrada no Dia Nacional de Mobilização pelo Fim da Violência contra as Mulheres, a Campanha do Laço Branco tem o objetivo de conscientizar homens, por meio da distribuição de laços brancos àqueles que abraçam essa causa.

 

De acordo com a secretária de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos, Claudia Simões, a campanha é mais uma ferramenta de proteção à mulher. “Ainda vivemos em uma sociedade machista e campanhas como essa do Laço Branco contribuem para sensibilizarmos os homens. Não lutamos pela redução, mas, sim, pela eliminação de qualquer tipo de violência”, enfatizou a secretária.

 

Iniciada em 25 de novembro, Dia Internacional da Não Violência contra a Mulher, a campanha segue até 10 de dezembro, data que se celebra o Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Campanha Laço Branco / Ascom/Semudh

A história

 

No dia 6 de dezembro de 1989, Marc Lepine, de 25 anos, invadiu uma sala de aula da Escola Politécnica de Montreal, no Canadá, e assassinou 14 mulheres, cometendo suicídio em seguida. O rapaz deixou uma carta afirmando que não suportava a ideia de ver mulheres estudando Engenharia, um curso tradicionalmente dirigido ao público masculino.

 

O crime mobilizou a opinião pública e gerou amplo debate. Para mostrar indignação ao massacre, um grupo de homens canadenses decidiu se organizar e criar a Campanha do Laço Branco com o objetivo de mostrar que existem homens que repudiam o sexismo e as práticas violentas contra as mulheres.