Notícia

Mulher e Direitos Humanos

Secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos do Estado de Alagoas
Segunda, 27 Novembro 2017 18:01
CONFERÊNCIA

Semudh e Conepir debatem a Promoção da Igualdade Racial

Discutir demandas e contribuir para a construção de políticas públicas são objetivos da IV Conferência Estadual

Secretária Cláudia Simões abriu a V Conferência Estadual de Promoção da Igualdade Racial nesta segunda (27) Secretária Cláudia Simões abriu a V Conferência Estadual de Promoção da Igualdade Racial nesta segunda (27) Ascom/Semudh
Texto de Marília Ferreira

Com o tema ‘O Brasil e as Alagoas na década dos afrodescendentes e outras etnias: reconhecimento, justiça, desenvolvimento e igualdade de direitos’, foi aberta nesta segunda-feira (27), no Hotel Ponta Verde, a IV Conferência Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Coepir). O evento, que segue até amanhã (28), é realizado pela Secretaria de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos (Semudh), por meio da Superintendência de Direitos Humanos e Igualdade Racial, em parceria com o Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Conepir).

Aprovação do Regulamento Interno, com a eleição dos delegados para a IV Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Conapir), que acontecerá de 27 a 30 de maio de 2018, em Brasília; Palestra Magna com o representante do Conselho Nacional de Promoção da Igualdade Racial, Adeildo Araújo Leite; apresentação cultural do grupo ‘Os Paradoxos’, com a peça Nega Fulô; e painéis temáticos simultâneos fizeram parte da abertura da Conferência.

A secretária de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos, Claudia Simões afirmou que, “esse momento é muito importante para todos nós”. “Durante os dois dias da IV Conferência Estadual de Promoção da Igualdade Racial, vamos discutir os direitos, a igualdade e o respeito aos povos afrodescendentes. Que juntos possamos lutar pela causa, para que tenhamos um mundo justo”, disse a secretária.

O presidente do Conepir, Helcias Pereira, disse:  “nosso papel é contribuir para que as políticas públicas sejam permanentes e efetivas e que a promoção dos direitos e o respeito sejam cada vez maiores. A comunidade negra está em todo lugar, sejam quilombolas, povos de religiões de matriz africana, indígenas, ciganos, todos merecem respeito e direito de igualdade”.

Nessa terça-feira (28), durante o último dia do evento, acontecerá a entrega do Prêmio Tia Marcelina. Na programação, também, uma apresentação cultural do Afoxé Obá Agodô, com a mãe Marcelle de Xangô.